Número total de visualizações de página

domingo, 15 de abril de 2012

Eutanásia porque eu quero


  
Ir com o meu cão ao veterinário é uma tortura. Tem muito medo dos outros cães e só de perceber onde está, treme que nem varas verdes. O medo, estamos em crer que se deve a que o gato lhe "batia" quando ele chegou cá a casa com 2 meses. Hoje são amigos, brincam muito, mas na rua, tudo o que tenha 4 patas e se mexa deixa-o em pânico. Ontem coitado, para mal dos pecados dele o companheiro da sala de espera era um Mastin preto, doce que só ele, também nervoso, coitado, mas que o Pepper não podia nem encarar.
Entretanto, havia uma rapariga encostada ao balcão à espera de vez, sem qualquer animal com ela. Faço sempre os meus filmes mentais, pensei que fosse comprar qualquer coisa, como despasitantes ou assim, mas não.
Perguntou então quanto custava matar o cão do "patrão" um cobarde para começo de conversa. Mandou a empregada numa atitude muito" nobre". Que era um cão muito agressivo, que blá, blá, sim, que nem ouvi nada, já que desatei a falar sozinha, no meu português vernáculo.
O veterinário tentou dissuadi-la, apresentou-lhe folhetos de escolas de recuperação canina, apresentou-lhe um monte de alternativas e a outra só dizia que o senhor (dono do cão) era muito teimoso de ideias fixas e que tinha de chegar a casa com uma resposta, com um preço. Lá lhe disse, que dependia do peso do bicho, etc (como vos digo nem quis ouvir bem) e saiu porta fora.
Chegou a minha vez e claro, perguntei-lhe que raio de história era aquela. Ele, um rapazinho novo e muito carinhoso, só me dizia que mais não podia fazer, que não se podia negar a cumprir as ordens da casa, que o cliente tinha sempre razão na perspectiva dos donos da clínica (embora ele discordasse) mas que tinha fé que ao saberem o preço desistissem da atrocidade.
Receio bem que se não têm dinheiro para o fim, também não terão para os meios, que seria contratar serviços de ajuda para o pobre animal. Que lhe irá acontecer?

Abracei o meu Pepper, portou-se bem. Só não comeu o dia todo, mas hoje já marchou uma pratada. Está feliz e bem disposto a brincar com a "Jurema" e com as bolas.
E eu amo-o.

7 comentários:

Joanissima disse...

Desculpa, minha querida, mas acho que vou discordar de ti pela primeira vez. Isso não é eutanásia, isso é assassínio, mesmo. Eutanásia pressupoe o sofrimento do doente. Ora, aqui só admitiria a eutanasia se fosse o proprio do cão a ir lá pedir para matarem o dono porque pelos vistos ele é que está em sofrimento ou, se nao está, podia muito bem estar.

Nem consigo ouvir estas coisas. De ha uns tempos a esta parte emociona-me milhoes de vezes mais o sofrimento dos bicgos que os das pessoas. Não sei bem explicar porque, mas os meus bichos sao familia para mim, ninguem os percebe como eu, os miados diferentes, expressao dos olhos. Como se pode fazer mal a alguem que só quer ser gostado, como eles?? dá-me ódio!!! Logo eu que acho que nunca odiei ninguem (nem a minha ex sogra)

Quanto ao teu Pepper, que coisa mai boa... com esse bogodaço todo e, vai-se a ver, e é um menino assustadiço... Compensa-o com mais mimo ainda, mais colinho ja que as visitas à vet nao se podem anular.

O teu Pickles que me perdoe mas o teu Pepper... é um gato de lindo que ele é!!

Utena disse...

Atrocidades dessas a mim dão-me vómitos...
Nem sei que diga...

Beijo

Luísa Lopes disse...

Joaníssima, é irónica a minha palavra eutanásia. Eu sou a favor dela, quando a vida deixa de fazer sentido. A minha e só a minha que é aquela por que posso decidir. Neste caso, não consigo classificar. Este tipo de gentalha nem merece o ar que respira.

Luísa Lopes disse...

Utena, vmi para casa muito mal disposta com uma sensação horrível de impotência e vazio. E raiva e dor e tudo.

Eolo disse...

Que horror... nem sei que diga, como é que alguém é capaz de fazer isto.

Luísa Lopes disse...

Eolo, porque há gente sem índole, Muita.

Coisas de Feltro disse...

Estes abates são daquelas coisas que me deixam com os cabelos em pé! Se não estão para aturar os cães não os levem para casa! Gente cruel que devia ficar referenciada.