Número total de visualizações de página

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Pássaros nocturnos

Acordei às 4.00 h da madrugada e quando acordo a esta hora, invariavelmente os pensamentos são tão escuros como a noite. Nada calmos, nada acolhedores.
Um turbilhão de medos infantis, difíceis de combater.
Resolvi levantar-me. O Pepper não se mexeu. Continuou enroscado no dono. Desci as escadas, fui à cozinha, bebi água e fui  sentar-me no sofá. Liguei a TV e passava "O Padrinho" com o Al Pacino. Nada que pudesse ajudar. Acendi um cigarro e fiquei meia alienada, à espera do sono.
Estava eu absorta, num pesadelo acordado, quando comecei a ouvir o canto de um pássaro.
Vesti um casaco, abri a porta para o pátio e saí pé ante pé.
Havia nuvens espessas mas luminosas a anunciar uma lua teimosa lá atrás. Fiquei especada no silêncio, a deixar-me envolver pelo canto do pássaro. Desconheço a espécie, mas sentí-me cumplice daquele cantar. Quem sabe...uma alma inquieta como a minha.
Comecei a tranquilizar-me, a voltar a  mim. Não tenho noção de quanto tempo estive ali fora.
Agradeci a companhia do companheiro alado e quando me dirigi à porta, tinha o gato à minha espera com ar inquisidor.
-Sou eu, gatinho!!
Cheirou-me e voltámos para a cama.

1 comentário:

Utena disse...

Maravilhosas essas partilhas que temos... que pouca gente entende mas que tantos ambicionam.
Beijos